O país dos petralhas II – o inimigo agora é o mesmo.

15/02/2017

Autor: Reinaldo Azevedoo-pais-dos-petralhas

Um relato jornalístico bem executado, com os desdobramentos da operação lava-jato, torna-se mais realista e verdadeiro. Autor corajoso e destemido, não é fácil apontar as falhas no governo, sem ter retaliações.

“Não tenho receio de discutir tema nenhum! E jamais sou ambíguo ou anfíbio. Também não tenho medo do que penso ou das minhas próprias opiniões reinaldo-azevedoporque me situo nos parâmetros da Constituição da República Federativa do Brasil – uma constituição elaborada segundo as regras da democracia. Tenho muito aguçado é o tal sentimento da vergonha alheia diante da covardia.”


Rita Lee uma autobiografia

15/02/2017

Autor: Rita Leerita-lee

Uma das melhores cantoras do Brasil, no gênero Rock, a melhor, vários clássicos da música, como interprete e letrista. Só podia escrever um livro bom, várias pérolas da música brasileira.

“Entre os shows mutantescos, minha memória guarda duas polaroide:

  1. Um festival de rock em Bauru na mesma noite de Tim Maia, quando mais uma vez dividimos o camarim com ele e a banda. Todo mundo ali fazendo o comportadinho sob o olhar de um par de meganhas que dava plantão nos bastidores do evento. Camarim secura total. De repente Tim começa a gritar :”Porra, aqui é a terra do bauru, alguém vai ter que me comprar um bauru. Tô com fome. Não entro no palco se não rolar um bauru!”. A produção entra no camarim preocupada com os gritos, os dois meganhas entram atrás e Tim interpreta a situação: “Eu só canto se me descolarem um bauru, entendeu? Bauru! Bauretz! Eu quero um bauretz, sacou? Bauretz!”. Sim, a produção “sacou”perfeitamente. A solução foi dar uma grana para os dois meganhas com a missão de imagescomprar o famoso sanduíche antes  que a apresentação daquela fosse para o brejo. “Ni qui” a rapaziada de uniforme saiu, a rapeize  do beise deitou e rolou. Naquele momento histórico, a cannabis foi oficialmente batizada nos meios artísticos de bauretz. “

Ansiedade

08/06/2016

Autor: Augusto Curyansiedade

Mais um excelente livro do Augusto Cury, trata bem o mal dos últimos tempos, a ansiedade.

“A vida é bela e breve como os orvalhos.

Vivemos a vida como se ela fosse interminável. Mas entre a meninice e a velhice há um pequeno intervalo de tempo. Olhe para a sua história: não parece que você dormiu e acordou com essa idade? Para as pessoas superficiais, a rapidez da vida estimula a viver descritivamente, sem augusto curypensar nas consequências dos seus comportamentos. Para os sábios, a brevidade da vida convida-os a valorizá-la como um diamante de inestimável valor.”

 


O filho da mãe

08/06/2016

Autor: Bernardo Carvalhoo filho da mae

Este livro faz parte da coleção “Amores Expressos”, o filho da mãe entrelaça as histórias de um punhado de mulheres que buscam livrar seus livros da guerra, da solidão e do crime. Excelente leitura…

“As histórias de amor podem não ter futuro, mas têm sempre passado. É por isso que as pessoas se agarram a tudo o que as remete de volta ao que perderam. Os livros que elas leem sempre dizem respeito ao passado. Romances históricos, memórias, biografias, tudo tem que ser bernardo carvalhoescrito em retrospectiva, senão não faz sentido. Ninguém quer ler o que está por vir, à beira do abismo. As pessoas precisam se agarrar ao que já conhecem. Os modernismos não podiam mesmo durar. Nem as revoluções. Ninguém vai construir uma casa à beira do abismo.”


A hora da estrela

08/06/2016

Autora: Clarice Lispector a hora da estrela

Um ótimo romance…

“As coisas estavam de algum modo tão boas que podiam se tornar clarice lispectormuito ruins porque o que amadurece plenamente pode apodrecer”


A era do ressentimento

03/06/2016

a era do ressentimentoAutor: Luiz Felipe Pondé

“Muitos de nós, intelectuais, os “ungidos”, como fala o escritor americano Thomas Sowell, julgam muitos fatos sem entender nada sobre eles.”

luiz felipe ponde“Afirmam que existe uma “distribuição injusta de renda”, enquanto nada querem saber(por preguiça ou incompetência) das diferenças de produtividade ou de mérito entre as pessoas.”

 


O amor nos tempos de cólera

02/06/2016

Autor: Gabriel Garcia Marquez. o amor nos tempos de colera

Um ótimo romance, de amores que se encontram no final da vida…

“No dia em que Florentino Ariza viu Fermina Daza no adro da catedral, grávida de seis meses e com pleno domínio de sua nova condição de mulher do mundo, tomou a decisão feroz de ganhar nome e fortuna para merecê-la. Sequer perdeu tempo em gabriel garcia marquezpensar no inconveniente de ser ela casada, porque ao mesmo tempo resolveu, como se dependesse dele, que o doutor Juvenal Urbino tinha que morrer.”